Notícias Faltantes


Desaparecidos aparecidos

Nota introdutória de Graça Salgueiro:

Há anos os remanescentes dos grupos terroristas (Montoneros e ERP) que açoitaram a Argentina nas décadas de 70 e 80 divulgam uma mentira monumental, alegando que seus mortos e desaparecidos pelo “terrorismo de Estado” somavam 30 mil pessoas. Isto já foi fartamente desmentido através de documentação do próprio órgão governamental CONADEP (Comissão Nacional sobre o Desaparecimento de Pessoas) – o que a torna insuspeitíssima.

Hospital Mazzorra, Cuba: 26 assassinados

Quando alguém abrir a boca para falar da excelência da saúde e educação em Cuba, peça-lhe explicações sobre estes cadáveres mortos a míngua, de fome e de frio.

“Lula sabe desde há muitos anos que em nosso país jamais se torturou ninguém, jamais se ordenou o assassinato de um adversário, jamais se mentiu ao povo“. (Fidel Castro Ruz emReflexões)

Há exatamente um mês morria, em decorrência de uma greve de fome de 83 dias, o preso político cubano Orlando Zapata Tamayo. Sua morte suscitou indignação mundial mas a reação das esquerdas veio mais rápida do que a atenção os apelos feitos durante meses, para que a ditadura atendesse suas solicitações. Da calúnia de que Zapata exigia “telefone, televisão e cozinha” na sua cela, passou-se à difamação daquele que já não podia se defender.