Uribe


Colômbia: Garzón, um camaleão a manipular a direita

Me preocupa muito a intervenção do hábil Angelino Garzón durante a 2ª Convenção do Centro Democrático (CD), no passado sábado 6 de maio, em Bogotá. Falo do fundo do discurso do ex-vice-presidente de Juan Manuel Santos, da mensagem subliminar que ele deixou nas mentes do auditório.

Iván Cepeda, Venezuela e a grande conspiração

A sucessão de Hugo Chávez está se complicando e será feita provavelmente a bala entre os mais próximos herdeiros ao trono mas, para desviar a culpa, “um ex-presidente colombiano” será mostrado como o instigador de tudo.

 
Até quando Iván Cepeda poderá seguir intrigando contra o ex-presidente Álvaro Uribe em total impunidade? O que faz esse membro da Câmara de Representantes é um insulto para essa instituição e para todos os colombianos. Por acaso é normal que um parlamentar, sem ter sido mandatado por ninguém, impulsionado unicamente por um ódio visceral e angustiante, ande fisgando nas penitenciárias do país, onde se reúne com os piores criminosos para tratar de comprometê-los em montagens obscuras contra o mais célebre ex-chefe de Estado da Colômbia?

Em entrevista, Uribe põe o juiz Garzón na lona

Baltasar Garzón pôs na mesa temas que acreditava embaraçosos para Uribe. Se equivocou. Ele esperava acuar o ex-presidente. Ocorreu todo o contrário. Uribe respondeu a tudo e com cifras, detalhes e até com histórias e, além disso, quis ir muito além dessas respostas. Mas foi interrompido.

 

Ontem assisti a uma entrevista que o ex-presidente Uribe concedeu ao Canal Capital, uma emissora de televisão estatal que atualmente é dirigida pelo jornalista colombiano Hollman Morris. Sobre este nefasto personagem, promotor das FARC não só na Colômbia como no mundo, escrevi em 2009 um artigo acerca dele e de um programa a respeito das FARC sob sua direção que foi exibido no The History Channel, sob o título Guerra psicológica e desinformadores profissionais que vale a pena ler de novo para conhecer em mãos de quem está a Colômbia hoje.

Santos, Chávez e o carro-bomba

Muita gente tem me perguntado, preocupada, se o presidente Juan Manuel Santos jogou no lixo as promessas que fez a Uribe de continuar com o Plano de Segurança Democrática e se bandeou-se para o lado esquerdo. Embora preocupada com algumas coisas que tenho observado, penso que ainda é cedo para afirmar isto; temos que dar-lhe um voto de confiança e acreditar em seu discurso até que fatos concretos confirmem ou desmintam que estamos equivocados.

Uribe: o Churchill da América do Sul

Essa guerra centra-se não entre os estados mas dentro de cada estado. Ou seja, o verdadeiro risco é enfrentado pelos povos dos distintos estados, e essa realidade parece óbvia hoje na Colômbia, pois a liberdade ali enfrenta as FARC e na Venezuela enfrenta a Chávez.

As recentes declarações do presidente Uribe a respeito do plano da UNASUL, para o restabelecimento das relações entre a Colômbia e a Venezuela, colocam-no como o Churchill da América do Sul.

Obrigado, Presidente Uribe!

Após vinte anos de utopias, erros e capitulações ante o terrorismo, a Colômbia estava em um beco sem saída. Uribe, porém, mostrou um novo caminho e provou que a chave da paz e da prosperidade do país está na derrota efetiva dos inimigos da paz, não nas concessões a estes.

Todos deveríamos agradecer ao presidente Álvaro Uribe desde onde estejamos e como possamos. Eu o farei desde Paris e mediante esta tribuna de “El Mundo”, de Medellín. Escrevo estas linha em 6 de agosto, um dia antes da passagem do poder ao presidente eleito Juan Manuel Santos.

Olhar de Peter Sellers

Eles odeiam Álvaro Uribe, dizem que terrorista é o presidente colombiano, mas FARC, não, não. “Que FARC?”
Um desses “insurgentes” foi vedete do 1º Fórum Social Mundial. Faltou lugar no Teatro do IPE para ouvi-lo sobre “resistência armada”.

Tenho me lembrado muito de Peter Sellers. O inglês era perito em simular a dissimulação. Nas suas trapalhadas, tipo derrubar uma pilha de pratos ou entornar um aquário no decote de honorável e corpulenta madame, assumia um olhar de quem acaba de chegar, abduzido, sem a menor ideia sobre o que seja prato, aquário ou decote. É o que tenho observado por aqui.

Falta de respeito

Lula acredita que Santos duvida do apoio e assistência direta e indireta que a Venezuela e o Equador têm dado às FARC?

Que a UNASUL não ia resolver nada sobre a crise Colômbia-Venezuela não surpreendeu ninguém. Trata-se de um tema grave. A denúncia da Colômbia, como assinalou o Departamento de Estado e como se entendeu nos altos níveis fora da comarca, é séria e requer ser levada a sério. Não é um caso para a UNASUL.

Venezuela semeia desinformação contra Uribe

“Há operações de inteligência desde a Venezuela para desprestigiar o presidente Uribe, utilizando todo tipo de artimanhas”.

Como “uma infâmia”, qualificou o presidente Álvaro Uribe, a acusação realizada através do jornal The Washington Post a seu irmão, Santiago Uribe, de haver liderado um grupo paramilitar. Ministros afirmaram que flagrou-se um complô desde a Venezuela. Um plano de desprestígio contra o Governo da Colômbia estaria sendo gestado desde a Venezuela, segundo os ministros da Defesa e do Interior.

Carta do Presidente Uribe ao Notalatina

A articulista do MSM Graça Salgueiro recebe carta do presidente da Colômbia Álvaro Uribe, reconhecendo a seriedade e a relevância do seu trabalho.

Não é todo dia que o Notalatina recebe uma carta de reconhecimento público pelo trabalho que desenvolvo há quase 8 anos mas, hoje, quero dividir com meus leitores e amigos uma muito especial que acabei de receber.

Tenho a gratíssima satisfação de publicar uma carta que recebi emocionada do presidente da Colômbia, Dr. Álvaro Uribe Vélez, que traduzo abaixo e que pode ser lida no original ao fim desta edição.